Imagem da matéria: Polícia do Paraná prende acusado de roubar R$ 30 milhões em golpe com criptomoedas
Foto: Shutterstock

A Polícia Civil do Paraná prendeu na quarta-feira (23) um homem que fazia parte de um grupo criminoso acusado de aplicar golpes de criptomoedas em centenas de investidores.

A estimativa é que a empresa, que não teve seu nome divulgado, deu um prejuízo de R$ 30 milhões em pessoas que acreditavam que seus aportes seriam investidos em criptomoedas. Na realidade, a promessa de investimento era uma farsa e o dinheiro das vítimas era apropriado pelos golpistas.

Publicidade

“A PCPR apurou que os indivíduos usavam o dinheiro das vítimas para os investimentos em criptomoedas e não repassavam a rentabilidade dos valores a elas”, diz a nota divulgada pela Polícia Civil.

A operação deflagrada ontem cumpriu cinco mandados de busca e apreensão em Curitiba, onde o grupo estava baseado, e também em Criciúma (SC).

As autoridades tinham três alvos principais na operação, mas conseguiram prender apenas um dos acusados na capital paranaense. Os outros dois golpistas, segundo a investigação da PCPR, estão foragidos no Canadá.

Para aumentar as chances de conseguir prender a dupla, as autoridades brasileiras solicitaram a inclusão dos nomes na lista vermelha da Interpol.

Publicidade

Ao Portal do Bitcoin, a assessoria de imprensa da Polícia Civil do Paraná informou que durante a operação nenhum valor em criptomoeda foi apreendido, apenas celulares e documentos.

Cobrança das vítimas

De acordo com o G1, a empresa pela qual os golpistas atraiam as vítimas ao esquema, não tinha autorização para operar no mercado.

O delegado Guilherme Dias, responsável pelo caso, afirmou que “nenhum centavo” dos R$ 30 milhões captados foram investidos na bolsa de valores porque a empresa não tinha autorização para operar no mercado de valores imobiliários. 

“Nós temos indícios de que estes valores, na verdade, eram transferidos para os sócios, que usufruíam desse dinheiro, e o restante era encaminhado para retroalimentar a pirâmide”, contou o delegado ao veículo.

Publicidade

Dias relatou que os clientes pareciam demonstrar confiança no esquema no início, fazendo investimentos que variavam entre R$ 100 e R$ 300 mil.

Ao que tudo indica, a empresa parou de pagar os supostos rendimentos aos clientes na metade de 2021. Mensagens divulgadas pelo G1 mostram que em junho do ano passado as vítimas começaram a cobrar os pagamentos da empresa.  

“O que eu preciso é de uma data. Estou bem inseguro e vocês não estão cumprindo o contrato”, escreveu uma vítima aos sócios do esquema no WhatsApp. Dias depois, recebeu uma resposta da empresa afirmando que ninguém teria prejuízo e que eles estavam “trabalhando normalmente para entregar o melhor resultado para nossos clientes”.

A promessa, no entanto, nunca foi cumprida.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniaturas de homens e moedas de bitcoin em cima de bandeira da Alemanha

Governo alemão movimenta mais US$ 362 milhões em Bitcoin

Movimentação ocorre um dia após o governo transferir mais de US$ 900 milhões em BTC
ingresso nft sympla

Tribunal dos EUA deve decidir se NFTs são valores mobiliários em processo contra DraftKings

O autor da ação coletiva “alegou plausivelmente que os NFTs da DraftKings satisfazem três vertentes do teste de Howey”, escreveu o juiz
Imagem da matéria: Juiz pede bloqueio de eventuais criptomoedas de ex-diretores da Americanas

Juiz pede bloqueio de eventuais criptomoedas de ex-diretores da Americanas

Sequestro de bens de ex-executivos da Americanas inclui ainda contas correntes e aplicações financeiras, veículos — aeronaves e embarcações — e imóveis
Imagem da matéria: Governo do Paraguai "rouba" os mineradores de Bitcoin, acusa senador

Governo do Paraguai “rouba” os mineradores de Bitcoin, acusa senador

Segundo o senador Salyn Buzarquis, decisão do governo do Paraguai de aumentar a tarifa de energia prejudica os mineradores que trabalham corretamente