Bolo de dólares em cima de outras notas
Shutterstock

A Polícia Federal Argentina (PFA) prendeu nesta semana um suspeito de liderar junto com a família uma quadrilha que lavou US$ 7 milhões com Tether (USDT), dinheiro este proveniente de jogos ilegais e do contrabando de celulares.

Fabián Di Julio, conhecido pelo apelido “El Gordo”, se entregou na PFA na última quarta-feira (3) e foi encaminhado para o Complexo Penitenciário Federal de Ezeiza, na província de Buenos Aires.

Publicidade

Considerado foragido há dois meses, Fábian procurou as autoridades acompanhado de advogados enquanto o cerco policial contra ele se fechava, sendo o último do caso a se deparar com o Tribunal de Justiça de Mar del Plata.

Seu filho, identificado como Gianluca, se entregou dias antes, enquanto a mãe, Verónica Scrosoppi, também foi indiciada, segundo informações do site Criptonoticias. No total, nove pessoas foram acusadas, de acordo com Ministério Público.

Fundos eram ocultados com USDT

A gangue contrabandeava telefones de última geração em Mar del Plata com a ajuda de um funcionário da alfândega. Ao mesmo tempo, a quadrilha usava fraudulentamente o nome de um conhecido cassino e o propagava nas redes sociais e posteriormente ocultava os ganhos com USDT.

Destes fundos, apenas 28.589,26 USDT foram recuperados, segundo a Unidade Fiscal Especializada em Crimes Cibernéticos (UFECI). Isso porque as manobras incluíram depósitos múltiplos em contas de terceiros e transferências recíprocas, o que dificultou a rastreabilidade e confundiu os ativos nas exchanges.

Publicidade

Em investigações anteriores, contudo, a conta de um dos arguidos, entre junho de 2021 e abril deste ano, foram detectados depósitos no valor total de 6.759.166,89 USDT em 309 operações.

“Os fundos estão ligados aos atos criminosos de branqueamento de bens de origem ilícita investigados neste caso”, disse o juiz Santiago Inchausti no processo. “A utilização de criptoativos (…) Facilita o pseudoanonimato das operações realizadas, a difícil rastreabilidade e a possibilidade de operar transnacionalmente com os fundos sem qualquer tipo de restrição”.

A gangue começou a ser desmantelada em maio deste ano em uma operação da Polícia de Segurança Aeroportuária (PSA), que apreendeu vários produtos sem notas fiscais, como armas e celulares, e equipamentos comumente usados por traficantes, além de dinheiro e mineradoras de criptomoedas.

Na ocasião, foram também realizadas 22 operações nas residências dos suspeitos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza em US$ 57 mil enquanto governo alemão segue vendendo criptomoedas

Manhã Cripto: Bitcoin se estabiliza em US$ 57 mil enquanto governo alemão segue vendendo criptomoedas

Carteira controlada pelo governo da Alemanha enviou mais de US$ 28 milhões em BTC para corretoras nesta manhã
Logo da blockchain Solana

Solana Actions: nova aplicação quer permitir transações de criptomoedas em qualquer site ou app

Os novos recursos Actions e Blinks têm como objetivo “colocar cripto de volta no Crypto Twitter”, disse o executivo da Solana Foundation
Ilustração de moeda NOT dourada com logotipo do jogo Notcoin do Telegram

Notcoin cai 14% após novo projeto desagradar comunidade

Jogo viral do Telegram, Notcoin sofre um grande golpe à medida que o “recomeço” anunciado pelos criadores não surtiu efeito na comunidade
Carteira de couro aberta mostra várias criptomoedas físicas

As 9 criptomoedas que podem disparar em julho

Analistas ouvidos pelo Portal do Bitcoin indicam quais criptomoedas têm potencial de alta para o mês de julho