Imagem da matéria: O que aconteceu com Satoshi Nakamoto? Documentário quer descobrir paradeiro do criador do Bitcoin
Estátua do misterioso fundador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto, instalada em Budapest, na Hungria (Foto: Shutterstock)

Mais de 13 anos após o lançamento do Bitcoin, uma pergunta ainda persiste: quem é Satoshi Nakamoto, o anônimo criador da primeira e maior criptomoeda do mundo?

Muitos tentaram e fracassaram em encontrá-lo ao longo dos anos, mas um documentário planeja explorar o fenômeno mais uma vez com um novo filme financiado por uma plataforma desenvolvida no Avalanche.

Publicidade

Na terça-feira (16), a produtora White Paper Films e o diretor Chris Cannucciari anunciaram que pretendem arrecadar fundos para filmar “I Am Not Satoshi”, um documentário de longa-metragem que visa fornecer um olhar completo sobre a busca. Cannucciari é o diretor do documentário “Banco ou Bitcoin” de 2016.

“I Am Not Satoshi” vai destacar a busca mundial por Satoshi, que sumiu logo após o lançamento do Bitcoin e que, desde então, não se ouve falar.

O filme irá compartilhar algumas teorias de pesquisadores sobre a pessoa (ou grupo de pessoas) por trás do pseudônimo, mas também irá explorar por que alguns acreditam que Satoshi deve permanecer anônimo.

“O filme se baseia nas palavras dos primeiros adeptos do Bitcoin, jornalistas e mentores de Satoshi para nos guiar pelo mistério”, disse Cannucciari em um comunicado.

Publicidade

“Especialistas e testemunhas vão nos ajudar a entender os acontecimentos antes e após o desaparecimento de Satoshi. Nosso objetivo é contar essa história antes que se torne um mito.”

O filme será financiado pela plataforma de investimentos Republic, no Avalanche, usando a estrutura de “oferta de financiamento de filme” (do inglês “Film Finance Offering” ou FFO) desenvolvida pelo Ava Labs.

Apoiadores poderão adquirir tokens para ajudar a trazer o filme à vida e o Ava Labs espera que outros cineastas usem a plataforma para financiar seus próprios projetos futuros.

Financiamento na Web3

“I Am Not Satoshi” marca as primeiras iniciativas do Avalanche no crescente mundo cinematográfico Web3 conforme tokens e NFTs colecionáveis são usados para ajudar a financiar o desenvolvimento de filmes.

Publicidade

Avalanche é uma rede criada para aplicações descentralizadas (dApps), jogos e NFTs, que se encaixa no grupo de blockchains consideradas possíveis “Ethereum killers”.

Decentralized Pictures e FF3 estão entre as plataformas que surgiram para usar a tecnologia Web3 para auxiliar cineastas.

O futuro documentário “Ethereum: The Infinite Garden” foi financiado por meio de uma venda de tokens enquanto uma adaptação de longa-metragem do livro “The Infinite Machine”, de Camila Russo, foi financiado via venda de NFTs.

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

prenda a ganhar dinheiro com Cripto
Você pode ter acesso a um curso exclusivo com os maiores especialistas em cripto para aprender os fundamentos e as técnicas que te ajudam a navegar nas altas e baixas do mercado. Garanta sua vaga aqui!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Polkadot gasta US$ 37 milhões com marketing e revolta parte da comunidade

Polkadot gasta US$ 37 milhões com marketing e revolta parte da comunidade

Quanto é demais para gastar em marketing de criptomoedas? Usuários e desenvolvedores da Polkadot debatem em meio às queixas
Imagem da matéria: Ex-executivos da FTX receberão sentença até novembro

Ex-executivos da FTX receberão sentença até novembro

O diretor de engenharia, Nishad Singh, receberá a pena no dia 30 de outubro, e o CTO, Gary Wang, no dia 20 de novembro
Logo da blockchain Solana

Solana Actions: nova aplicação quer permitir transações de criptomoedas em qualquer site ou app

Os novos recursos Actions e Blinks têm como objetivo “colocar cripto de volta no Crypto Twitter”, disse o executivo da Solana Foundation
Imagem da matéria: Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Prefeito do Rio sanciona lei que facilita criação de nova Bolsa de Valores

Eduardo Paes sancionou uma lei que reduz o ISS cobrado sobre atividades da bolsa de valores que pode estrear no Rio em 2025