Imagem da matéria: O estranho desaparecimento da ex-CEO da Binance dos EUA
Catherine Coley (Foto: Divulgação)

O que aconteceu com Catherine Coley?

O paradeiro do ex-CEO da Binance US, uma unidade separada da maior corretora do mundo criada para operar nos Estados Unidos, é um mistério que envolve o mundo das criptomoedas.

Publicidade

Até abril deste ano, Coley era ativa nas redes sociais e uma presença constante no circuito social do mercado. Ela era popular entre os outros na indústria — “me chame de Coley”, ela dizia aos que a conheciam — e sempre respondia rapidamente a convites de eventos e perguntas de membros da mídia.

Tudo mudou quando ela foi substituída abruptamente na Binance US em abril. Desde então, Coley efetivamente desapareceu.

Ninguém relatou tê-la visto em San Francisco, onde trabalhava, e sua conta no Twitter, antes animada, está em silêncio desde 19 de abril. Um ex-colega disse ao Decrypt que Coley não reconheceu os cumprimentos de aniversário recentes de amigos. Talvez o mais estranho de tudo seja que as contas de Coley no LinkedIn e no Twitter ainda a descrevem como “CEO da Binance US”.

Tudo isso levou o mercado a perguntar até mesmo se ela estava viva.

Coley se comunicou por meio de intermediários

A resposta a essa pergunta é sim, já que duas pessoas contam ao Decrypt sobre terem se comunicado recentemente com ela. Isso inclui troca de mensagens de texto e comunicações com a Binance que ocorreram por meio de um intermediário.

Embora seu paradeiro atual seja desconhecido, poucos duvidam que seu desaparecimento da esfera pública seja resultado direto de sua expulsão da Binance US. A empresa é subsidiária da Binance, a maior corretora criptomoedas do mundo, cujo CEO Changpeng “CZ” Zhao contratou Coley para comandar as operações nos Estados Unidos em julho de 2019.

Ao que tudo indica, Binance aprovou o desempenho de Coley, celebrando sua aparição na Fortune 40 Under 40 lista em sua conta oficial do Instagram no ano passado.

Publicidade

Mas em 20 de abril, o Wall Street Journal informou que Binance havia contratado Brian Brooks, um ex-advogado importante da Coinbase e chefe-interino do Escritório de Controladoria da Moeda (OCC), para ser seu novo CEO.

A mudança fez sentido estratégico para a empresa. Coley tinha um currículo impressionante, com um mandato de cinco anos como corretora no Morgan Stanley e experiência na Ripple, mas ela não teve influência em Washington — um lugar onde Binance está lutando para ganhar força enquanto os reguladores respiram fundo sua abordagem flexível às salvaguardas do consumidor.

Uma denúncia de 2020 da Forbes relatou como Binance usa frentes elaboradas para enganar os reguladores americanos; Binance respondeu processando a Forbes. Brooks, por outro lado, tinha acabado de terminar um mandato à frente da agência que supervisiona os bancos do país e tinha anos de experiência em lidar com reguladores.

A Binance lidou com a contratação de Brooks de maneira desajeitada. No curso normal dos negócios, uma empresa trataria a substituição de um CEO, mesmo aquele que estragou as coisas (o que Coley não fez), com uma enxurrada de comunicados à imprensa agradecendo por seus serviços e, em muitos casos, nomeando-os um novo papel confortável com um título impressionante.

Publicidade

Binance, CZ e Brooks não disseram absolutamente nada sobre Coley. Nem o fizeram desde então. Binance não quis comentar o caso. Coley não respondeu a duas mensagens diretas enviadas para uma conta da qual ela respondeu anteriormente.

“Eles saíram do palco sem nem uma menção”

A expulsão sem cerimônias refletiu mal em Binance, até porque Coley era uma de um pequeno punhado de mulheres que ocupavam uma posição sênior em uma indústria dominada por homens.

“Eles saíram do palco sem nem uma menção, e considerando o quanto ela trabalhou, achei vergonhoso e desagradável”, diz Meltem Demirors, um executivo da empresa Coinshares e uma figura vocal no mundo das criptomoedas.

Então, o que realmente aconteceu entre Binance e Coley?

Fontes que falaram sob condição de anonimato disseram que CZ esperava que Coley continuasse na Binance após a contratação de Brooks, mas que ela não queria mais ficar, e que Brooks, que tem uma reputação de obstinado, pouco fez para encorajá-la ficar.

Agora Coley e Binance estão provavelmente em litígio por causa de sua expulsão, uma situação que normalmente obriga os participantes a permanecerem calados. Nesse caso, Coley também pode estar usando seu silêncio como alavanca para um possível acordo em que ela concorda em não menosprezar seu antigo empregador.

Publicidade

Qualquer que seja a explicação para seu atual ato de desaparecimento, o resultado é que o mundo das criptomoedas perdeu uma executiva estrela em ascensão — por enquanto.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Machado Meyer Advogados entra para associação ABcripto

Machado Meyer Advogados entra para associação ABcripto

O escritório ingressa na associação para dar ainda mais relevância à assessoria jurídica na formatação de transações financeiras para o desenvolvimento do ecossistema cripto no país
Dedo indicador apoia bolo de dinheiro em forma digital

Mercado Bitcoin e Escala se juntam em tokenização inédita de R$ 29 milhões em operação na fintech Asaas

Operação viabilizou o acesso de clientes qualificados do MB a investimento na Asaas, antes restrito a grandes fundos de VCs
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Fundos de criptomoedas têm semana negativa, mas Brasil registra entrada de R$ 15 milhões

Brasil segue momento positivo para fundos de criptomoedas, enquanto produtos ao redor do mundo têm semana negativa com queda dos preços
Moedas douradas de Bitcoin (BTC) em frente a um gráfico de preço de alta

Manhã Cripto: Bitcoin e Ethereum ensaiam alta; BC fala em atraso do Drex e lei para stablecoins pode avançar nos EUA

O clima ainda é de cautela para as criptomoedas depois de comentários do presidente do Fed sobre manter os juros elevados e o risco de retaliação de Israel ao recente ataque do Irã