A Microstrategy acaba de anunciar a compra de mais 328 Bitcoins (BTC) para os seus fundos, de acordo com um comunicado oficial realizado nesta segunda-feira (1). No anúncio, empresa publicou o protocolo feito junto à Comissão Mobiliária dos Estados Unidos (SEC), para comprovar a compra das criptomoedas.

De acordo com Michael Saylor, o CEO da Microstrategy, a compra foi feita por US$ 15 milhões (R$ 84 milhões) — um custo médio de US$ 45,7 mil (R$ 265,7 mil) por unidade de Bitcoin.

Ainda, segundo o empresário, a empresa possui cerca de 90.859 BTC, ao todo, adquiridos a um custo médio de US$ 24 mil (R$ 134 mil) por unidade. No total, a Microstrategy possui US$ 4,4 bilhões em BTC.

Microstrategy compra Bitcoins com regularidade

O último aporte da Microstrategy no Bitcoin foi feito há poucos dias. Logo, no dia 24 de fevereiro, a empresa comprou 19.452 BTC, a um custo médio de US$ 52.765 (R$ 295 mil). O custo daquela transação foi de US$ 1 bilhão, ou R$ 5,5 bilhões. A empresa começou a investir em criptomoedas em agosto e, desde então, aumenta o seu portfólio de maneira contínua.

Por conta desses aportes, a Microstrategy ficou famosa entre os entusiastas das criptomoedas; ela se tornou a primeira empresa listada na Nasdaq a investir de maneira oficial no Bitcoin. Além do dinheiro injetado na moeda, há também o incentivo notório de Michael Saylor em relação ao Bitcoin.

Saylor é tido como uma das principais personalidades da criptoesfera. Frequentemente, o empresário aparece publicamente em defesa do Bitcoin. Ele acredita que o criptoativo é útil para guardar dinheiro a longo prazo, conforme explicou recentemente numa entrevista à CBNC.

Além disso, o pioneirismo da empresa no investimento institucional nos criptoativos abriu as portas para que outras companhias listadas na Nasdaq seguissem o seu exemplo. Depois da Microstrategy, a Square, que pertence ao CEO do Twitter, comprou Bitcoin. A Tesla, do Elon Musk, adquiriu US$ 1,5 bilhão na criptomoeda, no início de fevereiro.