Imagem da matéria: Justiça da Nigéria determina congelamento de contas de plataformas forex
Foto: Shutterstock

O Supremo Tribunal Federal de Abuja, capital da Nigéria, acatou o pedido do Banco Central do país (CBN, na sigla em inglês) e ordenou a vários bancos o congelamento de contas de plataformas que oferecem negociações em forex. A informação foi publicada pelo The Guardian Nigéria na semana passada.

Com a decisão, segundo o veículo, as contas bancárias das empresas ficarão inacessíveis por um período de 180 para que sejam investigadas operações ilegais de ativos.

Publicidade

O CBN alegou que as empresas estavam operando sem licença “e utilizando moeda estrangeira proveniente do mercado de câmbio nigeriano para comprar ações estrangeiras”, o que viola as leis de valores mobiliários da Nigéria. Uma circular foi enviada aos bancos no último dia 19.

O caso pode estar relacionado a uma diretiva emitida às instituições financeiras do país em fevereiro deste ano, que proíbe o processamento de transações de bitcoin e outras criptomoedas. Segundo o The Guardian, as empresas afetadas foram: RiseVest Technologies; Bamboo Systems Technology; Bamboo Systems Tech; Chaka Technologies; Trove Technologies.

Reação das plataformas forex

A lista dos bancos obrigados a bloquear as contas das empresas foi publicada pelo Economic Confidential no dia 18 de agosto. São eles: Zenith Bank; Guaranty Trust Bank; Access Bank of Nigeria; VFD Microfinance Bank.

De acordo com o site local Punch, o juiz que deferiu os bloqueios está aberto a ouvir quaisquer envolvidos e disse que “as pessoas que se sentirem prejudicadas podem entrar em contato com o tribunal”.

Publicidade

Em reação ao bloqueio de contas, a Bamboo falou que está ciente dos relatórios recentes e afirmou que sua equipe jurídica está acompanhando o caso. Disse também, segundo o jornal, que os fundos dos clientes permanecem seguros e acessíveis.

A Chaka Technologies também tentou acalmar seus usuários e afirmou que os fundos são segurados pelo SIPC — entidade garantidora de créditos semelhante ao Fundo Garantidor de Créditos (FGC) brasileiro. E argumentou que está devidamente licenciada pela Comissão de Valores Mobiliários da Nigéria e que, portanto, “todas as nossas operações estão sob a alçada dos reguladores nigerianos”.

“Você pode ter certeza de que seus investimentos e fundos são administrados com segurança, que os fundos e retiradas continuarão a ser processados ​​normalmente e que todas as nossas operações nos EUA permanecerão intactas”, tranquilizou também o CEO da RiseVest, em um e-mail enviado aos clientes da plataforma.

Nigéria e as criptomoedas

Em fevereiro deste ano, o Banco Central da Nigéria emitiu uma diretiva às instituições financeiras do país que proíbe o processamento de transações de bitcoin e outras criptomoedas.

Publicidade

No documento, o órgão orientou as instituições a identificar e fechar as contas dos clientes que estiverem comprando, vendendo ou armazenando criptomoedas. Ressaltou, ainda, que o descumprimento das novas regras poderiam resultar em sanções severas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Joe Biden posa para foto

Biden vira sobre Kamala: mercados de criptomoedas esperam que o presidente seja indicado

Apostadores de criptomoedas no popular mercado de previsões Polymarket novamente favorecem Joe Biden como candidato dos democratas
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump cobrará R$ 5 milhões de quem quiser dividir mesa com ele em evento de Bitcoin

Uma foto com Trump também custará caro aos participantes, indo de R$ 330 mil a R$ 550 mil