Imagem da matéria: Itaú demite funcionário por negociar bitcoin e é condenado a pagar rescisão
Foto: Shutterstock

O Itaú demitiu por justa causa um analista de sistemas que intermediava compra e venda de bitcoin no horário de expediente de trabalho. O caso foi parar na Justiça do Trabalho de São Paulo, que deu razão ao banco quanto à demissão, mas condenou a instituição a pagar R$ 22.500 por verbas trabalhistas. 

De acordo com a decisão publicada na terça-feira (22), o funcionário havia efetuado 168 operações de terceiros e 54 repasses com bitcoin e tudo teria ocorrido no horário de trabalho. Após o desligamento, ele entrou com uma ação trabalhista contra o banco no valor de R$ 90 mil.

Publicidade

Na defesa, o homem, que trabalhou no banco entre 04/01/2016 e 29/08/2018, alegou “não ter cometido qualquer ato que pudesse ocasionar a justa causa aplicada”. O Itaú, porém, mencionou na Justiça o número de operações feitas com criptomoedas durante o expediente, o que na visão do banco “certamente afetaram sua produtividade no trabalho”. 

Defesa do Itaú

O Itaú mencionou que o ato de seu ex-funcionário receber “recursos provenientes de empresa vinculada ao mercado de criptomoeda (Bitcoin), intermediando transações para terceiros envolvendo referida moeda digital, em conflito com as suas atribuições”.

De acordo com a defesa apresentada pelo banco nos autos, a realização desse tipo de operação, no horário de expediente de trabalho, viola a Política Corporativa de Prevenção a Atos Ilícitos. 

“O ato do reclamante viola o item 8 da Política Corporativa de Integridade e Ética (HF 5), assinado pelo empregado, bem como o Código de Ética da reclamada”.

Publicidade

Decisão do caso

O autor da ação não contestou ter feito as operações com bitcoin durante o horário do trabalho, mas sustentou que a conduta não seria capaz de configurar demissão por justa causa. Contudo, a juíza responsável pelo caso entendeu que houve fato suficientemente grave e deu razão à instituição financeira.

“O reclamante, na função de analista de desenvolvimento de sistemas, deveria ater-se às suas atribuições ao longo do expediente, bem como não exercer qualquer atividade conflitante a de um empregado de instituição bancária, tal como a intermediação de transações para terceiros envolvendo a criptomoeda, atividade não realizada pelo empregador”, afirmou a magistrada.

Com tudo isso, o analista de sistemas teve parte de seus pedidos atendidos pela Justiça do trabalho. A juíza decidiu que o pagamento de horas extras e reflexos nos Descansos Semanais Remunerados(DSR’s), em férias e terço constitucional, 13º salários e FGTS, o que totalizou R$ 22.500.

Contraponto

 O Portal do Bitcoin entrou em contato com o banco Itaú, que não quis comentar o caso.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Manhã Cripto: Bitcoin (BTC) recua para US$ 69 mil e FTX espera devolver fundos a clientes até fim de 2024

Com desempenho recorde no trimestre, o Bitcoin agora mira novas máximas à espera do próximo halving
Imagem da matéria: Investidor transforma R$ 20 mil em R$ 178 milhões ao segurar Bitcoin por 12 anos

Investidor transforma R$ 20 mil em R$ 178 milhões ao segurar Bitcoin por 12 anos

Quando o investidor adquiriu 500 BTC em julho de 2012, a quantia valia R$ 20 mil; hoje, ultrapassa R$ 178 milhões
moeda de bitcoin ao lado de tela com sigla NFT

Binance vai encerrar suporte a NFTs baseados no Bitcoin 

Com o fim do suporte para Ordinals, a Binance aconselha os usuários a transferir esses ativos para fora da plataforma
Moeda de Bitcoin no centro de dados IA

Algoritmos de Aprendizado de Máquina preveem preço do Bitcoin para 30 de abril

Inteligência artificial prevê para o último dia deste mês que o preço do Bitcoin passe por um ligeiro ajuste