Imagem da matéria: Gêmeos Winklevoss doam US$ 2 milhões em Bitcoin a Trump para combater "guerra às criptomoedas"
Donald Trump (centro) e os gêmeos Winklevoss (Imagem: Tyler Winklevoss)

Tyler e Cameron Winklevoss disseram na quinta-feira (20) que doaram coletivamente US$ 2 milhões em Bitcoin para apoiar a campanha presidencial do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o presumível candidato republicano.

A dupla, que cofundou a exchange de criptomoedas Gemini e previamente cofundou o Facebook, doou 30,94 BTC no total (15,47 BTC cada). A Gemini também anunciou na quinta-feira que os clientes agora podem fazer doações em criptomoedas para candidatos “pró-cripto”.

Publicidade

“O presidente Donald J. Trump é a escolha pró-Bitcoin, pró-cripto e pró-negócios”, escreveu Tyler Winklevoss no X. “Isso não está nem remotamente aberto para debate. Qualquer pessoa que lhe diga o contrário está seriamente mal informada, delirante ou não está dizendo a verdade. É hora de retomar nosso país.” 

Winklevoss acusou o governo Biden de armar o governo federal e o sistema bancário contra o espaço cripto, dando continuidade às políticas estabelecidas pela primeira vez com a Operação Choke Point sob o governo Obama, onde Biden atuou como vice-presidente. Ele descreveu isso como uma “guerra contra as criptomoedas”.

“As ações deste governo têm sido nada menos que um abuso de poder sem precedentes, exercido inteiramente para ganho político distorcido às custas da inovação, do contribuinte norte-americano e da economia norte-americana. Não há nada que o governo Biden possa fazer ou dizer neste momento para fingir o contrário.”

Tyler e Cameron Winklevoss não responderam imediatamente ao contato do Decrypt.

Também não está claro para onde os fundos foram enviados devido aos limites de doações a candidatos e partidos políticos que estão muito abaixo do valor que cada um disse ter doado. É provável que eles tenham doado para comitês de ação política (PACs) que apoiam Trump, que estão isentos de tais limites, mas são obrigados a operar independentemente das campanhas dos candidatos.

Publicidade

Em maio, seguindo o exemplo do candidato presidencial independente Robert F. Kennedy Jr., Trump começou a aceitar doações em Bitcoin e outras criptomoedas após um jantar em seu resort em Mar-a-Lago com detentores de NFTs de Trump.

No mesmo mês, analistas do Standard Chartered, com sede no Reino Unido, disseram que uma vitória de Trump em novembro seria boa para o Bitcoin. Ele fez comentários semelhantes desde então sobre o desejo de apoiar a criptomoeda nos Estados Unidos e garantir que o setor de mineração de Bitcoin possa prosperar no país.

No entanto, é uma aparente mudança de opinião. Trump tem sido historicamente anticripto, chamando a premissa dessa moeda digital de “baseada no ar”, de acordo com um post de 2019 enquanto ainda era presidente dos EUA. Em 2021, depois de deixar a Casa Branca, ele disse em uma entrevista que o Bitcoin “parece uma fraude”.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

  • Quer ter a chance de ganhar 1 ethereum (ETH)? Abra sua conta grátis no Mercado Bitcoin e comece a negociar o quanto antes
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Manhã Cripto: Bitcoin abre julho em alta de 2,2%; mês promete ser positivo para as criptomoedas

Historicamente, julho tende a ser um mês de valorização para as criptomoedas
Imagem da matéria: Dificuldade de mineração do Bitcoin cai 7,8%, maior recuo desde o colapso da FTX

Dificuldade de mineração do Bitcoin cai 7,8%, maior recuo desde o colapso da FTX

O recuo substancial do preço do Bitcoin desde março prejudicou a renda do setor de mineração em geral
Imagem da matéria: Memecoins inspiradas em Trump saltam após decisão da Suprema Corte dos EUA

Memecoins inspiradas em Trump saltam após decisão da Suprema Corte dos EUA

Suprema Corte decidiu que Trump não pode ser processado e julgado por atos que cometeu enquanto era presidente dos EUA
Dólares equilibrados formam uma pirâmide

Mercado ligado a elite do Camboja movimentou R$ 59 bilhões para golpistas cripto

Um grupo ligado à família Hun, no poder do Camboja, foi acusado de estar envolvido em um golpe multibilionário de cripto