Imagem da matéria: Fundo de 635 mil Bitcoins não prova reservas e leva pânico ao mercado; Entenda o caso
Foto: Shutterstock

A Grayscale, maior gestora de bitcoin do mundo, anunciou que não vai fazer a prova de reservas das criptomoedas que compõem seus fundos por “motivos de segurança”. 

A pressão por mais transparência ganhou força após o colapso de diversas empresas da área cripto, inclusive da Genesis, uma companhia que faz parte do mesmo conglomerado empresarial da Grayscale, o Digital Currency Group (DCG).

Publicidade

Além disso, também voltou a circular na última sexta-feira (18) um artigo de julho do blog DataFinnovation que acusa o DCG e a agora falida Three Arrows Capital (3AC), de se unirem em um complexo esquema feito para lucrar por meio do fundo GBTC da Grayscale — um esquema que levantou a suspeita de que a Grayscale possa ser a próxima empresa a sangrar na crise que se espalha pelo mercado cripto.

Nesse cenário, a comunidade pediu que a Grayscale fizesse uma prova de reserva para mostrar que realmente possui os 635 mil bitcoins que afirma ter no seu fundo Grayscale Bitcoin Trust (GBTC).

O GBTC foi lançado em setembro de 2013 e é um valor mobiliário que oferece aos investidores uma maneira de obter exposição passiva ao bitcoin sem comprar o ativo por conta própria. Ele reúne dinheiro de players institucionais e o usa para comprar bitcoin, que é então mantido em um fundo Grayscale.

“O pânico provocado por outros não é uma razão boa o suficiente para contornar complexos acordos de segurança que mantiveram os ativos de nossos investidores seguros por anos”, escreveu a equipe da Grayscale no Twitter ao anunciar que não faria prova de reserva.

Publicidade

Mesmo sabendo que a decisão iria desapontar parte da comunidade cripto, a Grayscale afirmou que todos seus ativos digitais estão seguros e sob custódia da Coinbase Custody Trust Company, LLC.

A empresa também explicou que seus fundos são valores mobiliários registrados na  Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), de tal forma que a situação financeira, os resultados das operações de cada fundo, bem como as auditorias externas que realiza, são detalhados em relatórios públicos e periódicos enviados aos reguladores.

Por fim, a Grayscale também ressalta que os regulamentos que regem seus produtos a proíbem de usar os ativos subjacentes para fazer ou receber empréstimos, ou qualquer outro tipo de negociação externa.

Cadê o bitcoin da Grayscale?

No entanto, sem que a Grayscale divulgasse onde estão armazenados os bitcoins do seu fundo, alguns investidores da comunidade cripto foram atrás dos endereços. O perfil @ErgoBTC, por exemplo, identificou 432 endereços contendo 317.705 BTC à provável atividade de custódia do GBTC — um total que representa apenas metade da reserva que a Grayscale afirma ter. 

Publicidade

Depois disso, a Coinbase veio à público defender a Grayscale em uma carta aos investidores: “Escrevemos para reafirmar que os ativos subjacentes a todos os produtos de ativos digitais da Grayscale mantidos na Coinbase Custody, conforme listados na tabela abaixo, estão seguros”.

Na tabela anexada, é possível ver que a Coinbase faz a custódia de 635.235 BTC que respaldam o fundo GBTC. A Coinbase, assim como a Grayscale, também não divulgou os endereços onde os ativos estão armazenados.

Reservas da Grayscale sob custódia da Coinbase (Fonte: Coinbase)
Reservas da Grayscale sob custódia da Coinbase (Fonte: Coinbase)

Na visão do especialista Paulo Boghosian, head de cripto do TC, embora a Coinbase seja vista como uma empresa séria no mercado, o que os investidores querem nesse momento são provas na blockchain de onde estão os bitcoins do GBTC.

“Não divulgar exatamente os endereços onde estão custodiados os bitcoins aumenta bastante a desconfiança do mercado. Como diz o Arthur Hayes, fundador da Bitmex, quando alguma entidade em cripto sai a público falando, ‘pode confiar porque la garantia soy yo’ sem de fato demonstrar provas (no caso os endereços públicos), o mercado vai estressar (e testar) até conseguir ter certeza”, explicou Boghosian.

Segundo ele, esse é um trauma que se espalha no mercado depois que a FTX travou os saques dos clientes dias depois de Sam Bankman-Fried jurar no Twitter que estava “tudo certo” com a FTX, quando na realidade a corretora tinha um rombo de US$ 8 bilhões no seu caixa.

Publicidade

A ligação entre Genesis, DCG e 3AC

Em meio aos temores que circulam sobre a saúde financeira da Grayscale, os seus principais fundos de Bitcoin e Ethereum caíram para os níveis mais baixos de todos os tempos.  

O GBTC fechou a semana passada sendo negociado com um desconto de 42,69%. Já nesta segunda-feira (21), o desconto do GBTC bate os 45%, de acordo com dados da YCharts

Como explica o Decrypt, o fundo está em “desconto” quando seu preço em comparação ao NAV (valor líquido do ativo) do preço atual do bitcoin é negativo, e está em “premium” quando o preço para NAV é positivo.

Com a queda do bitcoin e o lançamento de outros produtos para investidores institucionais, como ETFs, o preço do GBTC foi fortemente atingido e, desde o começo do ano, o fundo está em desconto.

No dia em que a Genesis bloqueou os saques, a Grayscale garantiu que seus produtos “continuam funcionando normalmente” e que os eventos recentes “não tiveram impacto nas operações” da empresa.

Para o fundo do mar

Mas isso não foi suficiente para acalmar os investidores que temem que a crise de liquidez respingue na Grayscale.

Como explicou Paulo Boghosian, há um temor no mercado que a Grayscale possa afundar junto com a Genesis, já que fazem parte do mesmo grupo empresarial e circulam rumores sobre um envolvimento entre a DCG e 3AC para lucrar por meio dos fundos da Grayscale. Esse último rumor, Boghosian resume da seguinte forma:

Publicidade

“Basicamente a Genesis, que é uma das empresas da holding DCG, que controla os trusts da Grayscale, estaria emprestando BTC para a 3AC para criar cotas de GBTC. E depois ainda emprestaria dólares contra as mesmas cotas de GBTC (de colateral). Como sabemos, 3AC quebrou e isso teria gerado um rombo grande para a Genesis”, explicou Boghosian.

Ele conta que pelo fato da Genesis ter licença de broker dealer e o GBTC ser um valor mobiliário registrado na SEC, as companhias seguem regras rígidas de diligência e que é de se esperar que os fundos da Grayscale sejam totalmente separados da Genesis.

“Apesar disso, o mercado não parece convencido”, apontou o especialista. “Outro ponto importante é que está circulando o boato que a Genesis está tentando captar US$ 1 bilhão, que supostamente seria o tamanho desse rombo”.

No Twitter, usuários sinalizam que o estrago pode ser grande, caso o DGC seja a entidade que deve US$ 1 bilhão para a Genesis.

“Se o DCG é a entidade que deve o dinheiro a Genesis, então [o grupo] não será capaz de cortar a Genesis e continuar operando o DCG e, mais importante, a Grayscale”, escreveu o usuário @hodlKRYPTONITE. 

Nesse cenário, ele aponta que o império de Barry Silbert, o CEO do DCG, estaria diretamente ameaçado, porque a “Grayscale é uma subsidiária do DCG e em caso de inadimplência da empresa-mãe, todos os ativos subsidiários podem ser penhorados”.

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank Cripto expande funcionalidade de alerta de preços de criptomoedas

É possível ativar o recebimento de alertas a partir de variações de preço de 3%, 6% ou 9% – sempre dentro de um período de 24 horas
Imagem da matéria: MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

MicroStrategy anuncia desdobramento de ações após acumular US$ 13 bilhões em Bitcoin

A empresa de software MicroStrategy, do defensor do Bitcoin Michael Saylor, dividirá suas ações depois que o preço mais do que triplicou no ano passado
Moeda de Bitcoin à frente de logo da Mt. Gox

Reembolsos de Bitcoin da Mt. Gox se aproximam: veja as previsões

Já faz uma década, mas não vai demorar muito mais, pois bilhões de dólares em Bitcoin estão a caminho dos credores da falida exchange
Dólares equilibrados formam uma pirâmide

Mercado ligado a elite do Camboja movimentou R$ 59 bilhões para golpistas cripto

Um grupo ligado à família Hun, no poder do Camboja, foi acusado de estar envolvido em um golpe multibilionário de cripto