Imagem da matéria: Escritório Mattos Filho publica estudo sobre blockchain e o futuro dos negócios digitais
Foto: Shutterstock

O Mattos Filho, um dos maiores escritórios de advocacia do Brasil, publicou recentemente um estudo sobre blockchain e o futuro dos negócios digitais. A ideia era ter um material sobre o tema para esclarecer os clientes sobre as aplicações e desafios na implementação deste tipo de tecnologia.

O Portal do Bitcoin conversou por email com a sócia do escritório Lisa Worcman, da área de Tecnologia, Inovação e Negócios digitais. Ela detalhou o projeto, explicou sobre a necessidade do material e sobre o crescimento do mercado.

Publicidade

Confira a abaixo a entrevista:

Como surgiu a iniciativa? Houve um aumento da demanda por parte dos clientes por mais informações sobre o assunto?
No Mattos Filho, temos um grupo multidisciplinar que trata de assuntos de interesse da indústria de tecnologia. Em uma de nossas conversas, meu sócio Paulo Brancher, mencionou a falta de conteúdo nacional sobre blockchain e deu a ideia de elaborarmos um Guia Blockchain com todo conhecimento que temos dentro do escritório. Adoramos a ideia e nos dedicamos conjuntamente à elaboração desse conteúdo.

Houve, sim, um aumento da demanda por parte dos clientes no que tange à blockchain. Temos visto muitos projetos envolvendo o assunto.

Quantas pessoas participaram do projeto e qual é o público-alvo? 
Esse projeto envolveu mais de 15 áreas do escritório, com 41 profissionais, entre sócios e advogados, contribuindo diretamente. O público-alvo é todo mundo que quer saber mais sobre blockchain – desde curiosos a experts no assunto.

O escritório tem profissionais apenas em blockchain e cripto? Trata-se de uma aposta do Mattos Filho, de que esse mercado vai crescer e se complexificar? 
O Mattos Filho entende que o mercado de blockchain e cripto vai crescer, e é essa visão que faz com que nos dediquemos a estudar esse assunto sob tantas óticas diferentes. Não temos profissionais focados apenas em blockchain porque acreditamos que um único profissional não conseguiria enxergar todas as facetas do direito que essa tecnologia pode impactar. Acreditamos em uma abordagem multidisciplinar. Por isso, temos profissionais em todas as nossas áreas que se dedicam a entender blockchain e cripto.  

Publicidade

O estudo foca bastante em blockchain, mas tem uma boa parte sobre criptomoedas. O Mattos Filho vê um potencial maior em blockchain do que em criptomoedas? 
O Mattos Filho entende que tanto blockchain quanto criptomoedas têm grande potencial. Ainda vemos criptomoedas como uma das principais aplicações da tecnologia blockchain e, a nosso ver, não faria sentido não incluir isso no material.

No âmbito legal, qual é a maior dificuldade para a adoção de tecnologias com blockchain?
A maior dificuldade para a adoção de tecnologias com blockchain no âmbito legal é justamente acompanhar todos os possíveis desdobramentos que essa tecnologia pode trazer. A inovação está sempre à frente da regulação, sendo o maior desafio dessa última a velocidade em se adaptar. 

Clique aqui e confira o estudo.

VOCÊ PODE GOSTAR
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
simbolo do dolar formado em numeros

Faculdade de Direito da USP recebe evento da CVM sobre democratização dos mercados de capitais

Centro de Regulação e Inovação Aplicada (CRIA) da CVM vai a “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil” com transmissão ao vivo no Youtube
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide