Imagem da matéria: Empresa Brasileira que teve Ethers Roubados no ICO Divulga Plano de Recuperação
Taylor teve quase todos os tokens roubados (Foto: Shutterstock)

A Taylor, empresa fundada por brasileiros que perdeu mais 2500 Ethers (ETH) após fazer um ICO na Estônia, divulgou no domingo (03) um plano de recuperação. A ideia é levantar mais capital para voltar a trabalhar no produto desenvolvido pela startup, um tipo de assistente de compra e vendas de criptomoedas.

“Como nosso objetivo é recuperar a confiança de quem tinha nossos tokens e da comunidade, decidimos que o melhor a fazer é vender parte dos tokens dos fundadores. Portanto, estamos oferecendo 20% deles em uma venda privada pelo valor de 0,0007 ETH cada um”, explica o texto divulgado no Medium da companhia.

Publicidade

Conforme a empresa, o plano é levantar US$ 80 mil. Essa foi a maneira encontrada para garantir que o time de desenvolvedores voltasse a trabalhar em tempo integral no aplicativo. Além disso, parte da equipe foi demitida e o escritório foi fechado. O plano para os próximos seis meses será terminar o produto, emitir um novo token, lançar a versão beta, conquistar clientes pagos, além de oferecer o token em uma exchange.

No artigo, assinado por Fabio Seixas, o CEO da Taylor, ele comenta que o período tem sido difícil e que parte da comunidade tem acusado-os de scammers. “Se fôssemos scammers ainda estaríamos aqui?”, escreveu.

Sobre o roubo, ele diz que há uma investigação em andamento, mas que não é possível divulgar detalhes no momento. Também admite que houve uma falha interna na segurança da empresa. “Sim, nos c*gamos!. Poderíamos ter prevenido essa infeliz situação”.

Roubo dos Ethers e dos tokens

No dia 21 de maio, a Taylor afirmou que havia sido hackeada. Como resultado, perdeu todos os fundos. No total, foram roubados 2579 Ethers, além dos tokens emitidos pela própria Taylor (TAY), usados para financiar o projeto de um aplicativo de trading de criptomoedas.

Publicidade

Só não foram roubados os tokens dos conselheiros e dos fundadores porque havia um contrato inteligente que os tornavam inacessíveis no momento. “Nós provavelmente não vamos recuperar nossos fundos”, disse a empresa na época.

A empresa não informou qual foi o problema de segurança. Na época do roubo, o especialista em segurança Leandro Trindade, afirmou que era estranho que a empresa não tivesse adotado medidas físicas de segurança: “Esse negócio de deixar todos os ovos na mesma cesta, não ter uma hot/cold wallet e ainda deixar os fundos acessíveis via internet é terrível”.

BitcoinTrade

Comprar e vender Bitcoin e Ethereum ficou muito mais fácil. A BitcoinTrade é a plataforma mais segura e rápida do Brasil. Além disso, é a única com a certificação de segurança PCI Compliance. Acesse agora ou baixe nosso aplicativo para iOs ou Android: https://www.bitcointrade.com.br/

VOCÊ PODE GOSTAR
piramide financeira criptomoedas

MP denuncia quatro envolvidos na pirâmide financeira do “Príncipe do Bitcoin” 

Por meio da A.C. Consultoria, os golpistas causaram prejuízo de R$ 234.600 a vários investidores de Campos dos Goytacazes
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM julga hoje a Olymp Trade, corretora proibida no Brasil promovida por Ronaldinho Gaúcho

A plataforma forex prometia retornos de até 92%
Closem em mãos de um homem que usa algemas

Suspeito de desviar R$ 30 milhões da Gerdau e converter em Bitcoin é preso por esquema com Nego Di

Em 2020, a metalúrgica Gerdau foi vítima de um roubo de R$ 30 milhões por meio de transferências de contas do banco Santander
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas