Imagem da matéria: CVM proíbe empresa de cursos de trader e investimentos de captar novos clientes
Foto: Shutterstock

*Atualização: Após a publicação da reportagem, a Harrison Investimentos enviou um contraponto. Ele foi incluído no final do texto.

A série de “Stop Orders” da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) continua em 2020. Desta vez a autarquia identificou atuação irregular por parte da Harrison Investimentos e determinou suspensão da captação de clientes pela empresa.

Publicidade

De acordo com publicação disponível na edição desta quinta-feira (21) no Diário Oficial da União, a CVM apontou que a empresa e seu responsável, Gabriel Harrison Dias da Rocha, não estão autorizados pela autarquia a ofertar serviços de intermediação de valores mobiliários.

Além de determinar o Stop Order, a CVM ainda estabeleceu multa diária de R$ 1.000 em caso de descumprimento.

A reportagem entrou em contato com a Harrison Investimentos e aguarda uma posição sobre a punição imposta pela CVM.

Gabriel Harrison Dias da Rocha vai ter que parar de atuar no mercado

Precatórios e traders

A Harrison Investimentos, de acordo com seu site, tem sede em Brasília e tem duas operações principais: a oferta de investimentos em precatórios federais e um curso à distância para formação de traders.

De acordo com texto pago publicado no portal Metrópoles em dezembro de 2018, a Harrison anunciava o lançamento do curso à distância para traders. O chamariz inicial é o de ganhar cerca de R$ 3 mil mensais com uma jornada de trabalho de apenas 4 horas diárias, de segunda a sexta, somente com a operação em pregões na Bolsa de Valores.

A empresa também afirma em seu site tocar projetos sociais em áreas como esporte, meio ambiente e educação financeira.

Seu fundador, Gabriel Harrison Dias da Rocha, é descrito com um investidor e trader bem sucedido, de origem humilde, e que conseguiu vencer na vida a partir de seu trabalho. De vendedor de pipas aos 10 anos, diz ter conquistado seu primeiro milhão de reais aos 25.

Outros stop orders em 2020

Com a punição à Harrison Investimentos, a CVM já contabiliza pelo menos nove ordens de suspensão de ofertas de investimentos que não contam com autorização da autarquia. Sete delas se aplicam a empresas que atuam no segmento de Forex (Foreign Exchange).

Publicidade

A primeira empresa punida pela CVM nesse quesito foi a IQ Option, proibida em 23 de abril. Em seguida, vieram as proibições contra as empresas Start InvestTradearAva TradeCIB FX, Pepperstone Group e Paladin FX.

O Forex, em si, não é uma atividade ilegal desde que a empresa tenha a autorização da CVM. A autarquia chegou a explicar isso por meio de uma publicação da Série Alertas em 2018. Na mesma cartilha, disponível em seu site, o órgão mencionou sobre os riscos desse tipo de investimento.

Tanto o Forex quanto os derivativos em geral, de acordo com a Lei 6.385/76, somente podem ser negociados por empresas autorizadas pela CVM. Apesar de a Lei não trazer de forma expressa que o Forex é um tipo de valor mobiliário, ela afirma que a emissão e distribuição de “outros contratos derivativos, independentemente dos ativos subjacentes” devem ser fiscalizadas pela CVM.

Além das empresas de forex, a CVM também emitiu alerta sobre a atuação irregular da empresa Petra Gold Investimentos, que está proibida de fazer oferta pública de Contrato de Investimento Coletivo.

Publicidade

Contraponto da Harrison Investimentos

Leia abaixo à resposta da Harrison Investimentos sobre a notificação da CVM.

A empresa Harrison Investimentos (CNPJ/MF nº.:27.846.566/0001-95) vem a público esclarecer que o Ato Declaratório Nº 17.867, de 20 de maio de 2020 emanado pela autarquia CVM trata-se de amplo equívoco, visto que tanto a empresa como seu proprietário não realizam serviços de intermediação de valores mobiliários e prospecção de clientes para abertura de contas em corretora de valores mobiliários, por não integrarem o sistema de distribuição previsto no art. 15 da Lei 6.385/76.

Conforme as informações contidas site, a empresa (CNPJ/MF nº.: 27.846.566/0001-95) atua somente na negociação de direitos creditórios e/ou precatórios, que são requisições de pagamento de valores devidos pela Fazenda Pública em processos judiciais não constituindo-se oferta pública de valores mobiliários, sendo que não é necessário nenhum registro da operação naquela Autarquia, uma vez que direitos creditórios e/ou precatórios não constam no rol taxativo de valores mobiliários nos termos da Lei nº 6.385/76. Esclarece por fim que tomará as medidas legais cabíveis para dirimir esse estorvo.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
Antônio Ais posa para foto ao lado de carro

Criador da Braiscompany, Antônio Neto Ais é solto na Argentina

O benefício de prisão domiciliar valerá até que o processo de extradição para Brasil seja resolvido
Gustavo Scarpa em um campo de futebol usando o uniforme do Atlético Mineiro

Scarpa x Bigode: Pedras preciosas não valem como garantia em processo contra pirâmide cripto, diz PF

Um laudo das pedras de alexandrita apreendidas da suposta pirâmide Xland foi avaliado por um juiz, que determinou que elas não têm valor significativo