Imagem da matéria: Corretoras de criptomoedas precisam de “proteção” contra crimes de front running, diz presidente da SEC
Presidente da SEC, Gary Gensler, durante palestra no MIT (Foto: Reprodução/Youtube)

O presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC), Gary Gensler, quer mais supervisão das corretoras de criptomoedas.

Ao participar de uma audiência do subcomitê de Serviços Financeiros da Câmara dos Deputados dos EUA, Gensler disse que a SEC está tentando trazer para os usuários de exchanges “proteções semelhantes” das que já existem aos investidores da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) e Nasdaq. 

Publicidade

“Sem um policial nas rédeas e algumas regras de trânsito, os participantes do mercado podem antecipar seus pedidos”, explicou Gensler, referindo-se a uma prática de front running, proibida nos mercados financeiros convencionais.

No mercado de criptomoedas, o front running significa obter conhecimento de transações pendentes, que estão públicas na blockchain, e fazer uma outra transação ser executada antes ao pagar uma taxa mais cara.

SEC cita DeFi como um desafio 

Gensler também disse que o mercado cripto está se expandindo rapidamente. “Todos nós ouvimos falar sobre bitcoin, mas existem mais de 80 outros tokens com valor de mercado superior a um bilhão de dólares, e mais 1.700 com mais de um US$ 1 milhão”, disse ele ao subcomitê.

A nova análise de dados ajudaria a SEC a monitorar o setor, mas também “ampliaria nossos recursos”. Em observações entregues ao comitê, Gensler descreveu as criptomoedas como uma “classe de ativos altamente volátil e especulativa”, tornando essencial a supervisão das plataformas de negociação. 

Publicidade

Ele ressaltou que os volumes das exchanges relatados recentemente variaram entre US$ 130 bilhões e US$ 330 bilhões por dia, mas que os números não são confiáveis porque não foram auditados e refletem as movimentações de corretoras não registradas.

Entre outros desafios que a SEC enfrenta relacionados ao setor, Gensler apontou os mercados de empréstimo de criptomoedas e as plataformas de finanças descentralizadas (DeFi), que “levantam uma série de desafios para os investidores e a para a equipe da SEC que tenta protegê-los”.

O órgão, acrescentou ele, também está buscando comentários de corretores sobre os arranjos de custódia das criptomoedas.

A nomeação de Gensler para o cargo de liderança da SEC foi bem recebida por muitos participantes do espaço cripto, uma vez que ele já ministrou um curso sobre blockchain no MIT, bem como escreveu um artigo de opinião em 2019 onde descreve as criptomoedas e a tecnologia blockchain como um “catalisador para mudança”.

Desde que foi confirmado como presidente da SEC, Gensler adotou uma linha mais comedida sobre os ativos digitais, dizendo à conferência FINRA de 2021 que a agência “deveria estar pronta para tratar de casos que envolvem questões como as criptomoedas”.

Publicidade

Ele também destacou a necessidade de “regras de trânsito e um policial de prontidão para proteger os investidores do dia a dia”, uma linha que voltou à tona em seu depoimento à Câmara dos Deputados.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Conta da cantora Doja Cat no Twitter é hackeada para divulgar memecoin na Solana

Conta da cantora Doja Cat no Twitter é hackeada para divulgar memecoin na Solana

Assim como Hulk Hogan, 50 Cent e Metallica, o nome da cantora astro do rap está sendo usado para bombear uma memecoin na Solana
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Deputados pedem que EUA tratem diretor da Binance preso na Nigéria como refém

Numa resolução apresentada ao Congresso, os deputados French Hill e Rich McCormack apelaram à libertação de Tigran Gambaryan
Imagem da matéria: Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

A VivoKey Technologies, com sede em Seattle, oferece carteiras de Bitcoin subdérmicas para transações seguras de criptomoedas usando tecnologia NFC e RFID
Imagem da matéria: Criador da pirâmide BlueBenx, Roberto Cardassi é preso em Portugal

Criador da pirâmide BlueBenx, Roberto Cardassi é preso em Portugal

Cardassi e a BlueBenx pararam de pagar os milhares de clientes em 2022, deixando um prejuízo estimado em R$ 160 milhões