O governo sul-coreano vai tornar mais rígidos os regulamentos sobre as transações de criptomoedas feitas para aproveitar as vantagens do chamado “prêmio kimchi” do Bitcoin nas bolsas locais, informou o The Korea Times nesta segunda-feira (19).

A decisão foi tomada na sexta-feira passada em uma reunião virtual realizada pelo Serviço de Supervisão Financeira (FSS), com os participantes, incluindo vários outros reguladores e grandes bancos sul-coreanos, supostamente levantando preocupações sobre a especulação com criptomoeda.

Nas últimas semanas, o Bitcoin negociou nas bolsas de criptomoedas sul-coreanas com um prêmio significativo – às vezes acima de 20% – levantando suspeitas de que os investidores estão ativamente engajados em arbitragem ou na prática de tirar proveito de uma diferença de preço entre vários mercados.

O aumento da atenção às transações de criptomoedas é parte da iniciativa mais ampla do governo para lidar com remessas suspeitas de moeda estrangeira envolvendo residentes chineses e atividades potencialmente ilegais, como evasão fiscal e lavagem de dinheiro.

“As autoridades continuarão monitorando quaisquer sinais de atividades comerciais ilegais no mercado de criptomoedas aqui e se juntarão a instituições globais para lidar sistematicamente com atos ilegais cometidos por meio de bolsas no exterior”, disse um funcionário do governo ao jornal The Korea Times.

‘Decisões cuidadosas’

Conforme relatado pela Agência de Notícias Yonhap, as medidas mais rígidas exigirão que as instituições financeiras sul-coreanas aumentem o monitoramento de retiradas de criptomoedas e relatem transações suspeitas à Unidade de Inteligência Financeira (FIU), a agência governamental que monitora fluxos de dinheiro ilegais. Enquanto isso, a agência tributária do país vai colocar mais foco em supostos sonegadores de impostos que podem usar criptomoedas para esconder seus fundos das autoridades.

De acordo com o Escritório de Coordenação de Políticas Governamentais, “os indivíduos devem tomar decisões cuidadosas relacionadas às criptomoedas”, uma vez que elas “não têm valor intrínseco” e servem como “meio de especulação em vez de investimento”.

No início deste mês, os bancos comerciais da Coreia do Sul introduziram limites às transferências de dinheiro para clientes de varejo, exigindo que eles verificassem o propósito das transações internacionais acima de US $ 50.000. Enquanto isso, a Upbit, a principal bolsa da Coreia do Sul, implementou uma regra de retirada de won de 72 horas para contas que recebiam fundos pela primeira vez, tornando mais difícil realizar a arbitragem.

O Bitcoin nesta segunda está sendo negociado em torno de KRW 73.300.000 (~ $ 65.725) na Upbit, e é negociado perto de US$ 56.500 nas principais bolsas ocidentais.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co