Imagem da matéria: Cielo contrata presidente do Banco do Brasil para tentar recuperar mercado
(Foto: Reprodução)

A Cielo, empresa que atua no setor de cartões de crédito e débito, contratou o ex-presidente do Banco do Brasil (BB) Paulo Caffarelli para dar início à sua recuperação no mercado devido à “guerra das maquininhas”, reportou o Valor na última quarta-feira (30).

De acordo com a reportagem, a empresa, controlada pelo Bradesco e Banco do Brasil e é líder no setor, não medirá esforços para recuperar o mercado perdido, mesmo que as novas ações diminuam a receita — a instituição já prevê 30% a menos para este ano. O site a classificou como uma empresa “pragmática e com foco em resultados”.

Publicidade

Guerra das maquininhas

A Cielo começou a vender ‘maquininhas’ no início de 2018. Até então, a empresa só alugava os equipamentos, mas começou a perder mercado para concorrentes que vendiam os produtos.

Percebendo que as novas empresas de captura, transmissão e liquidação financeira estavam estão capitalizadas para enfrentar as gigantes com o ela, a Cielo, em meados do ano passado, teve que reduzir taxas para os varejista para poder ser competitiva.

Em sua primeira coletiva de imprensa desde que assumiu o cargo, Caffarelli disse que a Cielo voltou ao jogo e vai brigar por preços até que o próprio mercado defina um patamar. Em uma reportagem anterior, o novo líder disse que serão “ajustes, de pé no chão”.

Mais colaboradores

O novo plano de estratégias para 2019 conta também com o aumento de colaboradores para o setor de vendas. A empresa contratou 1.000 novos ‘hunters’ e definiu uma meta individual de fechamento de dois contratos ao dia.

Publicidade

E isso já vem dando resultado. Os novos funcionários que trabalham externamente já conseguiram aumentar 2,5 vezes a quantidade de contratos fechados em relação a dezembro.

Segundo o site, outros 500 terceirizados farão o mesmo serviço, mas para atrair as pequenas e médias empresas.

Empresa quer desempenho análogo à Black Friday

Até então, as vendas de maquininhas era realizadas pela Stelo, empresa adquirida 100% pelo Cielo. No ano passado, a subsidiária vendeu 483 mil unidades. Destas, 269 mil foram no período do último trimestre, ou seja, parte disso foi devido a ações na Black Friday.

É este o foco da Cielo. basear-se num desempenho análogo à temporada de promoções que tanto chama a atenção no Brasil e no mundo.

A Stelo, contudo, continuará a ser a “marca de combate” da companhia nas vendas, mas a maquininha da Cielo também será vendida para pequenos empreendedores que quiserem um produto um pouco mais sofisticado, disse o Valor.

Publicidade

“Não temos uma Black Friday todo trimestre, mas temos o esforço da equipe de vendas e o investimento em marketing, que neste ano ficará maior do que em 2018”, disse Victor Shabbel, diretor de relações com investidores da Cielo, segundo o Valor.

Estratégia tem aval de acionistas

De acordo a reportagem, Caffarelli disse que toda a estratégia da empresa está alinhada com os acionistas majoritários e minoritários e que eles estão cientes do resultado menor previsto para este ano.

No entanto, após a anuncio das novas estratégias, a reação no mercado acionário foi positiva. A ação da Cielo tem fechado em alta nos últimos dias.

VOCÊ PODE GOSTAR
Close na mão de candidato preenche gabarito com lápis preto

Novo concurso do BNDES pede conhecimento em criptomoedas e blockchain; Salário é de R$ 20,9 mil

São 900 vagas para vários cargos, incluindo cadastro de reserva e cotas para candidatos negros e pessoas com deficiência
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%
Closem em mãos de um homem que usa algemas

Suspeito de desviar R$ 30 milhões da Gerdau e converter em Bitcoin é preso por esquema com Nego Di

Em 2020, a metalúrgica Gerdau foi vítima de um roubo de R$ 30 milhões por meio de transferências de contas do banco Santander
Imagem da matéria: Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Usuários da 99Pay têm chaves PIX vazadas, alerta Banco Central

Também foram potencialmente expostos dados como nome do usuário, CPF com máscara, instituição de relacionamento, agência e número da conta