Imagem da matéria: CEO do CoinMarketCap renuncia quatro meses após a aquisição da Binance
(Foto: Shutterstock)

A CEO do CoinMarketCap, Carylyne Chan, renunciou nesta segunda-feira (31) depois de dois anos e três meses na empresa. Sua renúncia ocorre apenas quatro meses depois que o CMC foi adquirido pela Binance.

“Antes de entrar no CoinMarketCap, construí e posteriormente vendi uma empresa que estava focada em inteligência artificial. Acredito que ainda há muito a ser feito em IA, então posso voltar a esse campo em algum momento ”, disse Chan ao Decrypt.

Publicidade

“No entanto, atualmente, estou explorando novas oportunidades ou setores que precisam ser modernizados com tecnologia e uma marca melhor; acredito que a experiência que acumulei na última década pode ser fundamental para gerar ganhos reais na economia em geral, especialmente neste momento de nossa história humana coletiva”, acrescentou ela.

Sua renúncia segue a aquisição do CoinMarketCap pela Binance, que foi anunciada em 2 de abril de 2020. Esta aquisição resultou em Brandon Chez, o fundador do CoinMarketCap, deixando o cargo e pavimentando o caminho para Chan assumir o papel de CEO interina. Ele também gerou polêmica depois que uma grande mudança foi feita no site que levou o Binance ao topo de sua classificação.

“Durante toda a aquisição e após, era meu objetivo manter a responsabilidade e integridade com nossos usuários através de transparência e não de censura. Como eu disse em minha carta mercado quando me tornei CEO interina, a independência operacional é fundamental e pedi aos nossos usuários que nos julgassem nos próximos meses para garantir que mantivéssemos nossa palavra. Tudo o que posso pedir é que essa responsabilidade continue”, disse ela.

Durante o tempo de Chan no CoinMarketCap, a empresa desempenhou um grande papel na integração do mercado. Com lançamento na Nasdaq, Bloomberg e Reuters, os índices de criptomoedas da empresa forneceram dados a um público muito mais amplo.

Publicidade

Chan também supervisionou o desenvolvimento da métrica e pontuação de Liquidez da empresa, fornecendo soluções para inflação de volume nas bolsas, além de ajudar os usuários a encontrar as melhores bolsas de criptomoedas. Também durante seu tempo na empresa, o CoinMarketCap deu início à Data Accountability & Transparency Alliance, que tinha como objetivo promover a transparência na indústria.

Dois vice-presidentes também renunciaram

Spencer Yang, vice-presidente de operações, crescimento e receita e Jeremy Seow, vice-presidente de produto, também deixaram a empresa nas últimas duas semanas.

Yang, que anunciou sua renúncia no LinkedIn, disse ao Decrypt: “Decidi sair porque queria passar mais tempo pensando nos problemas que gostaria de resolver fora da empresa”. Ele acrescentou que ingressou no On Deck Fellowship, um programa de 10 semanas em que indivíduos nos estágios iniciais de abertura de uma empresa se encontram.

Seow juntou-se a nós, “Spencer e Carylyne foram ótimos colegas no CoinMarketCap e estavam entre as pessoas mais inteligentes e brilhantes com quem tive o prazer de trabalhar. Eles foram fundamentais para me ajudar a criar o roteiro do produto e a visão do CoinMarketCap antes e depois da aquisição.”

Publicidade

Ele acrescentou: “Embora eu não fale por eles, eu (e suspeito que Carylyne e Spencer também) consideramos a entrega de alguns desses marcos importantes do produto como um bom momento para deixarmos a empresa e voltarmos às raízes de nossas startups.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump cobrará R$ 5 milhões de quem quiser dividir mesa com ele em evento de Bitcoin

Uma foto com Trump também custará caro aos participantes, indo de R$ 330 mil a R$ 550 mil