Imagem da matéria: Bitcoin (BTC) mantém segundo dia de alta; Dogecoin (DOGE) sobe quase 10% com efeito Elon Musk
Foto: Shutterstock

O Bitcoin manteve um segundo dia de alta nesta quarta-feira (25), puxando grande parte do mercado de criptomoedas junto. Um indicador interessante é que no acumulado de sete dias, a perda do BTC já está menor que dois dígitos, sendo de 9,4%.

Segundo o Coinmarketcap, o Bitcoin (BTC) opera em alta de 3,37% e é vendido a US$ 37.699.

Publicidade

No período de um mês, a principal criptomoeda do mercado passou de US$ 51.956 para US$ 33.184 . Mas como disse já há alguns dias o CEO da Crypto.com, Kris Marszalek, “pode ser que neve por alguns dias, mas não haverá inverno”.

 O criador do pool de mineração Solo CK, Con Kolivas, também disse na rede social que “talvez a queda tenha acabado. Compre enquanto puder”.

Kolivas ganhou relevância no mercado cripto pois três mineradores que usam sua plataforma conseguiram recentemente adicionar sozinhos um bloco à blockchain do Bitcoin – feito muito improvável e que rendeu mais de 6 bitcoins para cada sortudo.

O Índice de Preço do Bitcoin (IPB) está em R$ 207.888.

Caminho mais longo para altcoins

Entre as altcoins o caminho para uma recuperação é mais longo. Basta observar que a desvalorização nos últimos sete dias está perto ou ultrapassa a marca dos 20% em diversas moedas: Ethereum (-19,24%), Cardano (-24,94%), Solana (-28,72%), Polkadot (-22,15%) e Shiba Inu (-21,48%).

Tempo real

Mas olhando para o cenário do tempo real, o momento é otimista. Ethereum (ETH) cresce 2,8% e é vendida a US$ 2.493.

Publicidade

Operam em alta Binance Coin (+2,86%), Cardano (+1,46%), Solana (+3,72%), XRP (+4,05%), Polkadot (+3,05%), Avalanche (+8,8%).

Terra (LUNA) em queda

Entre as dez maiores criptomoedas do mercado, apenas uma está operando em queda no momento: Terra (LUNA), que registra baixa de 3,47% e é vendida a US$ 63,32.

Dogecoin

Já a alta mais forte do top 10 é da Dogecoin e a explicação é bem simples: na terça-feira (25) o empresário Elon Musk, CEO da Tesla, disse que comeria um McLanche Feliz na televisão caso o McDonald’s passe a aceitar Doge como meio de pagamento.

Dogecoin (DOGE) opera em alta de 9,23%. Vale lembrar que dias atrás a moeda apresentava uma desvalorização de 81% de seu preço mais alto da história (US$ 0,73) e parecia estar em vias de extinção.

Não é a primeira tentativa de Musk dar impulso à moeda e nem a mais contundente: no dia 14 de janeiro o CEO da Tesla anunciou que a empresa passou a aceitar Dogecoin como forma de pagamento para produtos de merchandising.

Publicidade

Embora ainda não seja possível comprar um carro da Tesla com a criptomoeda, um quadriciclo, uma fivela de cinto de cowboy e um “cyber apito” já está à venda por Doge.

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires

Surfista brasileiro patrocinado por comunidade Web3 lança documentário no Woohoo

Patrocinado pela comunidade Web3 Nouns, Sunny desbravou o vulcão Cerro Negro, um dos mais ativos da Nicarágua
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética
Imagem da matéria: Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

Agora você pode guardar seu Bitcoin sob a pele

A VivoKey Technologies, com sede em Seattle, oferece carteiras de Bitcoin subdérmicas para transações seguras de criptomoedas usando tecnologia NFC e RFID
Imagem da matéria: ABFintechs defende segregação patrimonial e combate à lavagem de dinheiro na regulação do mercado cripto

ABFintechs defende segregação patrimonial e combate à lavagem de dinheiro na regulação do mercado cripto

Diego Perez, presidente da ABFintechs, detalha como a associação atua no mercado brasileiro de criptomoedas