Bitcoin Banco consegue recuperação judicial na Justiça após deixar milhares no prejuízo

CVM diz que Bitcoin Banco não se compromete a pagar ninguém e rejeita acordo
Cláudio José de Oliveira, fundador do Bitcoin Banco (Foto: Reprodução)


*Atualização: após a publicação desta reportagem, a empresa entrou em contato e enviou um posicionamento. Leia abaixo.

A Justiça do Estado Paraná concedeu nesta quarta-feira (27) a recuperação judicial das empresas do Grupo Bitcoin Banco. O Grupo alega dever mais de R$ 600 milhões aos clientes, que já estão a mais de cinco meses com dinheiro retido pela empresa.

A juíza da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais Mariana Gluszcynski Fowler Gusso aceitou o pedido que havia sido feito no início do mês para oito empresas.

Na decisão, a magistrada nomeou Eduardo Scarpellini, da EXM Partners, como administrador da massa semi-moribunda de empresas de Claudio Oliveira. Scaperpellini terá 24 horas para aceitar a nomeação e, depois disso, mais 15 para levantar a situação da empresa e mostrar à Justiça.

Para piorar, a juíza aceitou que todas as ações e execuções movidas contra o Bitcoin Banco sejam suspensas. Na prática, significa que quem já ganhou ações contra a empresa, não receberá o dinheiro.

Os cartórios especializados também não poderão formalizar os protestos referentes às dividas da empresa, assim como os órgãos de controle de inadimplência como Serasa, SPC e Bacen. Além disso, qualquer eventual processo trabalhista que o Bitcoin Banco perder não terá efeito enquanto durar a recuperação judicial.

Entenda o caso Bitcoin Banco

A petição para recuperação judicial foi registrada no TJ do Paraná no dia 4 de novembro pelo advogado Edson Insfer. Na lista estão as seguintes empresas:



  • Bitcurrency Moedas Digitais, conhecida como Bitcoin Banco;
  • Dream Word Informática;
  • NegocieCoins;
  • Open Coin Serviços Digitais;
  • Principal Apoio Administrativo;
  • Tagmob Administração e Corretagem de Imóveis;
  • TemBTC;
  • Zater;

A tática é usada para “congelar”, reorganizar e parcelar as dívidas com os credores e prima por preservar a existência da empresa.

O GBB visa com o pedido anular quaisquer negociações feitas anteriormente e invalidar todos os pedidos de falência do grupo econômico. A empresa de Claudio Oliveira alegou se tratar de empresas viáveis economicamente.

Além disso, o GBB pediu à Justiça para que todos os bloqueios e arrestos sejam suspensos.

As empresas alegaram terem passado por “problemas internos em seu sistema de negociação de criptomoedas – que gerou insegurança no público que utilizava a plataforma (conforme será esclarecido na sequência) – e pelo comportamento abusivo de instituições financeiras”.

Esses problemas internos alegados foram as supostas fraudes sofridas com saques de criptomoedas o que acabou acarretando bloqueio dos saldos de seus clientes e inúmeras ações judiciais.

Uma vez que na própria petição do GBB há o pedido para que se suspenda qualquer ação contra a empresa, o Grupo ganhará tempo. Com isso todos os acordos assinados até então feitos serão cancelados.

Resposta do Bitcoin Banco

O Grupo Bitcoin Banco informa que, nesta quarta-feira (27), foi deferido o processamento do pedido de Recuperação Judicial do GBB pela juíza da 1ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de Curitiba.

A decisão favorável veio a partir do reconhecimento pelo Poder Judiciário, da capacidade de retomada do negócio e determinou o imediato desbloqueio dos ativos que impediam a instrumentalização da operação.

O GBB considera esta uma vitória fundamental para a reorganização dos negócios e a superação da crise econômico-financeira, uma vez tem ao seu lado a supervisão direta do Poder Judiciário, por meio do Administrador Judicial, seguindo um procedimento efetivo, transparente e, principalmente, que elimina o excessivo movimento que se formou contrário à retomada dos negócios do GBB.

O próximo passo é a formatação do plano de recuperação – em um prazo de 60 dias a contar da data de deferimento do pedido – que apresenta em juízo uma solução viável para a reestruturação dos negócios do Grupo.

A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do GBB, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação das empresas, sua função social e o estímulo à atividade econômica.