Imagem da matéria: Armas nucleares da Coreia do Norte foram financiadas com criptomoedas, segundo a ONU
Foto: Shutterstock

Os programas nucleares e de mísseis balísticos na Coreia do Norte dependem bastante da receita de ciberataques e de hacks a corretoras de criptomoedas, segundo um relatório da Organização das Nações Unidas (ou ONU) visto pela Reuters.

“Segundo um membro do estado, atores cibernéticos da DPRK [República Popular Democrática da Coreia] roubaram mais de US$ 50 milhões entre 2020 e metade de 2021 de, pelo menos, três corretoras de criptomoedas na América do Norte, Europa e Ásia”, de acordo com o relatório.

Publicidade

Embora a indústria cripto ilícita esteja a todo o vapor na Coreia do Norte, outras fontes mais comuns de receita ilegal (como bens de luxo ilícitos sendo movimentados pela fronteira) foram impedidas pela pandemia de covid-19.

“A entrega direta de petroleiros não pertencentes à DPRK foi suspensa, provavelmente em resposta a medidas de covid-19”, afirma o relatório.

O salva-vidas cripto da Coreia do Norte

Essa não é a primeira vez que o isolado e bastante sancionado estado norte-coreano recorre às criptomoedas para obter renda.

Em janeiro, dados da Chainalysis (também citados no relatório mais recente da ONU) demonstram que a Coreia do Norte realizou, pelo menos, sete ciberataques contra corretoras de criptomoedas.

Publicidade

Essa atividade gerou quase US$ 400 milhões em criptomoedas para o “reino eremita”.

Isso representou um aumento significativo na atividade do ano anterior, em que houve apenas quatro ciberataques afiliados à Coreia do Norte contra plataformas cripto.

A Chainalysis também descobriu que, quando a Coreia do Norte obteve acesso aos fundos, o regime começou “um processo de lavagem bem cuidadoso para encobrir e sacar [o dinheiro]”.

Um dos principais agentes da Coreia do Norte em busca de criptomoedas é o Grupo Lazarus, um grupo de cibercriminosos apoiado pela agência de inteligência da DPRK, o Departamento Geral de Reconhecimento.

O Grupo Lazarus ficou bastante popular após os infames ciberataques à WannaCry e Sony Pictures pela Coreia do Norte mas, desde 2018, o grupo roubou e lavou “enormes quantias de critpomoedas todo ano, geralmente acima de US$ 200 milhões”, segundo a Chainalysis.

Publicidade

Em 2020, um relatório descobriu que a Coreia do Norte também estava recorrendo a monero (XMR), uma criptomoeda criada para ser completamente anônima.

“Acreditamos que a anonimidade do Monero e baixos requisitos de poder de processamento provavelmente tornam monero mais atrativo do que o bitcoin para usuários norte-coreanos”, afirmou o artigo do Recorded Future.

Em 2019, a ONU estimou que a Coreia do Norte havia gerado cerca de US$ 2 bilhões para programas nucleares e de mísseis balísticos.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Tokens Titãs: Revelando os players mais poderosos no cenário cripto gamer em 2024

Tokens Titãs: Revelando os players mais poderosos no cenário cripto gamer em 2024

Entre os tokens de jogo melhor classificados estão Immutable (IMX), Gala (GALA), Axie Infinity (AXS), Sandbox (SAND) e KangaMoon (KANG)
Imagem da matéria: Dogecoin está se aproximando de uma "cruz dourada": o que isso significa?

Dogecoin está se aproximando de uma “cruz dourada”: o que isso significa?

Média móvel simples de 50 semanas (SMA) do preço spot da Dogecoin está atualmente em alta e pode passar barreira das 200 semanas
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais
Ilustração da memcoin em Solana Bonk

Como criar uma memecoin em Solana com a Pump.fun

Protocolo viralizou ao permitir a qualquer pessoa criar uma criptomoeda por cerca de R$ 15