Imagem da matéria: "Ao contrário de 2008, bancos não são o problema da crise atual", diz BC Europeu
Presidente do Conselho Fiscal do Banco Central Europeu, Andrea Enria (Foto: Andrzej Barabasz/Wikipedia)

O presidente do Conselho Fiscal do Banco Central Europeu (BCE), Andrea Enria, anunciou na sexta-feira (27) que essa crise advinda do Coronavírus não é a mesma que ocorreu em 2008 e cobrou algumas posturas dos bancos a fim de que se reduza o futuro impacto na economia.

De acordo com o texto publicado no site do BCE, Enria prevê futuras perdas no ambiente macroeconômico. A saída, na visão dele, é não estabelecer um campo regulatório pesado aos bancos. 

Publicidade

Com isso, o Conselho Fiscal do BCE resolveu, então, suspender por seis meses a implementação e decisões regulatórias que nesse momento poderia sobrecarregar os bancos e entidades supervisionadas pelo órgão.

Em contrapartida, porém, o presidente do Conselho Fiscal pediu para que os bancos aproveitem essa política adotada “para absorver perdas no ambiente macroeconômico deteriorado” e “continuar emprestando a clientes, especialmente pequenas e médias empresas, severamente afetados pela crise”.

Bancos devem segurar dinheiro

O BCE ainda recomendou que os bancos e outras instituições de crédito segurem suas reservas e deixem, pelo menos até o final de setembro desse ano, de distribuir dividendos aos acionistas para os períodos anuais de relatório de 2019 e 2020.

O cumprimento desta recomendação, segundo Enria, permitiria manter um total de 30 bilhões de euros em capital adicional da mais alta qualidade (lucros retidos classificados como Common Equity Tier 1) dentro do sistema.

Publicidade

“Isso dará aos bancos capacidade adicional para emprestar ou absorver perdas no momento em que for particularmente necessário”.

Coronavírus e uma crise sem precedentes

Enria mencionou, portanto, que  “os fundos próprios das instituições de crédito são a ferramenta mais eficaz para resistir a choques que se materializam inesperadamente”. Ele, porém, no mesmo texto advertiu que essa crise advinda do Coronavírus não foi algo inesperado.

Ele, então, elogiou as decisões do governos da zona do Euro em “aliviar temporariamente as dificuldades dos devedores com moratórias de pagamento e garantias em empréstimos bancários”.

Em face dessa atitude, Enria explicou que o BCE resolveu, então, “aumentar a flexibilidade de supervisão em relação ao tratamento regulatório dos empréstimos dos que recebem esse apoio público”.

Essa crise, explicou Enria, nada tem a ver com aquela de 2008 a qual foi provocada por bancos, mas ainda assim essas instituições precisam estar bem preparadas para servirem de ferramenta para salvar a economia.

Publicidade

“Diferentemente da crise financeira de 2008, os bancos não são a fonte do problema neste momento. Mas precisamos garantir que eles possam fazer parte da solução”. 

Para ele, o cenário ainda é bastante incerto pois não há como precisar por quanto tempo essa crise, a qual ele classifica como sem precedentes, irá perdurar.

“Devemos levar em conta as consequências de longo prazo de nossas ações, para garantir que o setor bancário europeu permaneça forte e possa apoiar a rápida recuperação de nossas economias após esse choque sem precedentes”, afirmou.


BitcoinTrade: Depósitos aprovados em minutos!

Cadastre-se agora! Eleita a melhor corretora do Brasil. Segurança, Liquidez e Agilidade. Não perca mais tempo, complete seu cadastro em menos de 5 minutos! Acesse:

VOCÊ PODE GOSTAR
Bolo de dólares em cima de outras notas

PF da Argentina prende família que lavava dinheiro de contrabando e jogos de azar com USDT

Com o filho preso e a esposa indiciada, o líder da quadrilha, Fabián Di Julio, o “El Gordo”, se entregou na última quarta-feira
Donald Trump posa para foto em evento político nos EUA

Trump cobrará R$ 5 milhões de quem quiser dividir mesa com ele em evento de Bitcoin

Uma foto com Trump também custará caro aos participantes, indo de R$ 330 mil a R$ 550 mil
Moedas de bitcoin sob bandeira da Argentina

Argentina sanciona lei que permite aumento de capital de empresas com criptomoedas

Javier Milei também nomeou um especialista em blockchain para liderar Agência Federal de Segurança Cibernética