Imagem da matéria: Abaixo-assinado pede que polícia investigue youtubers por golpes em Portugal
Youtuber Diogo Figueiras do canal Windoh posando com carro de luxo. Imagem: Reprodução/Instagram

Cerca de 13 mil pessoas já assinaram uma petição online iniciada na última quarta-feira (03) que pede à Polícia Judiciária e à Justiça federal de Portugal uma investigação contra youtubers. Conforme descreve o documento, os influenciadores digitais promovem esquemas fraudulentos para “enriquecimento desonesto”.

No abaixo assinado, oito nomes/canais foram denunciados — ‘Numeiro’, do youtuber João Barbosa com 400 mil inscritos; ‘Windoh’, canal comandado por Diogo Figueiras com 1,7 milhão de assinantes; o canal de David Soares, ‘DavidGYT’, com 100 mil seguidores; além de Claudio André; Fx_Papi; Joaofox92; Jamestradingjar; e Consultor.academy.

Publicidade

“Estes burlões [trapaceiros no português luso] promovem a perda de dinheiro a pessoas e principalmente a jovens menores de idade dado a ser o seu público alvo e também de descultivar a literacia financeira dos jovens que ficam com receio de no futuro caírem em esquemas como os exibidos por estes burlões”, diz um trecho da petição.

O documento, registrado na plataforma Petição Pública, diz que os fraudadores denunciados usam os mercados financeiros como ilusão para o enriquecimento rápido enganando pessoas. Conforme descreve, eles usam materiais sobre forex, ações e criptomoedas para enganar as pessoas, além de promoverem grupos especiais com pagamentos mensais para terem acesso a sinais.

Na quarta-feira (03), a petição começou a ganhar espaço no Twitter e uma ação foi liderada pelo suposto hacker @redlive13, que no dia anterior pediu o ‘cancelamento’ de vários youtubers sugerindo prisão para eles. Para alguns, até hashtags foram criadas — #CancelarWindoh; #CancelarNumeiro; #CancelarDavidGYT; #CancelarFerp.

O primeiro da lista de @redlive13 é Diogo Figueiras, o youtuber Windoh. Recentemente, ele virou notícia em jornais portugueses acerca de sua promoção de cursos de investimento em ações e criptomoedas.

Publicidade

Segundo reportagem do Observador, por exemplo, suas aulas sobre criptomoedas foram pirateadas e expostas. Um hacker então o acusou de fraude em um vídeo no Youtube. Mais tarde, em vídeo, o youtuber negou as acusações.

Nesta quinta-feira (04), o Portal do Bitcoin checou o ‘blvcknetwork.com’, site de venda dos produtos oferecido pela equipe do Windoh, e constatou que os cursos sobre ações e criptomoedas não estão mais disponíveis para compra.

Sobre os cursos, o site os descreve como os melhores cursos do mercado para negociar ações e criptomoedas e que por trás há uma “equipe com vários anos de experiência na negociação de mercados de cryptoativos e ações”. E esse é um dos temas no Twitter. Com o vazamento de @redlive13, muitos fizeram piada com o conteúdo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Lionel Messi jogador de futebol durante partida pela seleção da Argentina

Tokens da Argentina e Espanha despencam mais de 20% após títulos; entenda por quê

Tokens oficiais das seleções da Argentina e Espanha caíram entre 22% e 25% após as vitórias de domingo
Arte mostra imagem do espaço mirando a Terra envolta a uma rede de sinais holográficos

Núclea lança rede para tokenização de ativos financeiros

Testes da primeira duplicata tokenizada devem finalizar em julho e o serviço começa a ser ofertado de forma ampla ao mercado em setembro
Imagem da matéria: WazirX, uma das maiores exchanges da Índia, perde R$ 1,2 bilhão em ataque hacker

WazirX, uma das maiores exchanges da Índia, perde R$ 1,2 bilhão em ataque hacker

A exchange cripto indiana WazirX suspendeu os saques de criptomoedas depois da invasão
Imagem da matéria: Vasco oferece experiências especiais para detentores de fan token na apresentação de Philippe Coutinho

Vasco oferece experiências especiais para detentores de fan token na apresentação de Philippe Coutinho

Coutinho será apresentado em São Januário neste sábado em evento exclusivo